Colunistas

Publicado: Terça-feira, 23 de março de 2010

A arte do desencontro

A arte do desencontro

Ruth e Rogério são um típico casal descolado. Ele jornalista, ela psicóloga. Os dois ainda se sentem jovens. Não atravessam uma fase boa no casamento e procuram amigos para desabafar. Afinal, nada como uma boa conversa para ajudar numa hora dessas.

Rogério
: Olha, não é prá querer dar uma de gostoso, mas uma vez eu armei um jantar... Sabe essas noites inesquecíveis?

Ruth: Aí meu Deus... Sabe essas coisas...assim...inesquecíveis? Parece que ele faz de propósito, só prá me irritar...

Rogério: Eu pensei em tudo, armei tudo direitinho...

Ruth
: Eu estava disposta a ter uma noite legal... A fim de namorar... Sabe clima de começo de namoro? Então eu cheguei como se a gente não fosse casado, sabe? Prá rolar um clima de paquera? Fiz de conta que ele era um estranho, dei umas olhadas insinuantes...

Rogério: Mas aí, pro meu desespero, ela chega com a cara virada, de graça... Não tinha acontecido nada, estava tudo normal, e ela com aquele mau humor, assim do nada. Aí eu fiquei maus, dei um beijinho nela e corri prá cozinha cuidar da surpresa. Tudo bem, tá de mau humor, vamos ver se ela vai resistir a esse jantarzinho...

Ruth
: Só que daí o Rogério me dá um beijinho bem ordinário, me empurra e sai correndo, sei lá, devia estar passando jogo na tv. Falei, quer saber de uma coisa? Hoje não vai ter jantar coisa nenhuma, eu é que não vou cozinhar para aquele estúpido. Peguei o telefone e pedi uma pizza.(pausa)(enternecida) Pedi de calabresa que o Rogério adora...Eu não queria brigar.

Rogério
: Apesar de eu ter sacado que naquele dia ela estava louca pra brigar, eu me propus a fazer um jantarzinho bacana, uma coisinha romântica...Mas tinha que ser surpresa. Então eu falei pra ela ir tomar um banho, falei prá ela: escuta, por que você não vai tomar um banho? Um banho bem refrescante, sabia que ela devia estar cansada do trabalho...Enquanto isso eu ia preparando tudo. Estava sendo super delicado com ela.

Ruth: Aí o estúpido chega e fala: Escuta, por que você não vai tomar banho? Agressão gratuita, do nada. Um cavalo. Mas como a última coisa que eu queria naquele dia era brigar, eu nem respondi, engoli o sapo e pensei: Não vou brigar com você hoje, meu querido. Peguei minha bolsa, que eu sei que ele detesta bolsa largada na sala e fui pro quarto botar uma roupinha mais charmosa.

Rogério: Ela nem olhou na minha cara, pegou a bolsinha no sofá virou as costas e foi pro quarto. Pronto... Já vi tudo, vou ter que dormir na sala... ( longo suspiro) Já vi esse filme antes...

Ruth: Pensei, quem sabe um filme, um filme gostosinho, uma coisa romântica... Já tinha pedido a pizza. Peguei minha bolsa e pensei: bem, vou sair, mas não vou nem falar nada prá ele, pego o DVD, quem sabe já pego a pizza lá em baixo... Faço uma surpresa... Pego um filminho sugestivo...

Rogério
: Não é que ela me sai, e não fala nada, não dá um beijo. E eu querendo fazer uma noite legal, um lance gostoso... Mas quando ela tá a fim de infernizar... Não tem quem agüente. Aí eu já tinha até perdido o tesão de fazer o jantar... Aí eu desisti. Falei: não dá, quer saber duma coisa? Não dá, eu tentei... Deus é testemunha. Guardei tudo na geladeira e liguei a tv, fui assistir qualquer coisa... prá espairecer a cabeça. Na verdade eu não tava assistindo nada.

Ruth: Não é que quando eu voltei, o cara estava lá, plantado na frente da televisão vendo jogo de futebol... Puxa... Isso acaba com qualquer romantismo... É um cara que não se esforça a mínima prá tentar da uma vida pro casamento. Eu nem mostrei o filme prá ele, sabia que ele iria falar: depois eu vejo, tô vendo jogo... Fui pro quarto e... Aí, eu chorei de raiva. Eu me senti uma idiota tentando salvar um casamento com um cara completamente imbecil... Como eu não queria que ele me visse chorando por causa dele, levantei e tranquei a porta do quarto. O pior é que eu gosto dele.

Rogério: Essa mulher não gosta mais de mim! Só pode ser. Ter essa disposição pra brigar com outra pessoa... Só pode ser ódio. Não tem outra explicação... Entrou, passou por mim, como quem passa por um desconhecido e foi pro quarto, se trancou lá, só prá fazer clima... E eu que tinha pensado em fazer um jantar á luz de velas... Acabei pedindo uma pizza. Pedi pizza de escarola que eu sei que ela adora e botei um cd legal, eu tava a fim de domar a fera... Botei um Martinho da Vila prá gente dançar juntos...aquelas letrinhas sacanas... Eu até coloquei o som um pouquinho mais alto. Ela ouviu, ela sacou o convite...

Ruth
: Não é que o cara me coloca um pagode no último volume? Não; responde se eu agüento um troço desses? Ele sabe que eu detesto pagode, colocou só pra me irritar! Aí é que eu digo que não adianta só um querer melhorar as coisas, tem que ser uma coisa dos dois, uma disposição de lado a lado, é ou não é? Quando um não quer dois não amam... Essa é que é a verdade do casamento! Aí eu fui tomar banho. Não, não acabou, escuta só: aí eu fui tomar banho e me perfumar, colocar uma roupinha que me deixasse gostosa... Vestir-me do jeito que eu sei que ele gosta.

Rogério
: Mas quer dizer... Não dá pro cara fazer tudo, a outra pessoa tem que mostrar uma mínima disposição, né? Eu coloquei aquela musiquinha, escureci a sala... Prá bom entendedor, meia palavra basta. Tava tudo sugerido... Agora pergunta se ela veio? Pergunta... Veio nada, ficou lá trancada, um tempão, ligou chuveiro, ficou lá enrolando, só prá fazer clima. Cheguei a uma conclusão, que se por um lado é triste, pelo menos é uma grande sacada: Quando um não quer dois não amam. Putz... Daí chegou a pizza... Tem dia que dá tudo errado, tem dia que é melhor nem sair da cama. Chegou a pizza, e veio pizza errada. Coitado do entregador, eu descarreguei tudo nele: Quem pediu pizza de calabresa, leva essa droga embora, não é isso que eu quero!

Ruth
: Não, ouve só, eu tava toda perfumadinha, vestida do jeito que ele gosta...

Rogério
: Aí ela me aparece vestida que nem uma piranha!

Ruth
: Tô saindo do quarto e o cara tá gritando que não quer droga de pizza de calabresa nenhuma, tá lá aos berros feito um histérico berrando que não pediu pizza de calabresa. É um grosso, um estúpido. A gente pede uma pizza pra pessoa e parece que cometeu

Comentários

O olhar de um nariz

Nando Bolognesi

Nando Bolognesi

Palhaço profissional e na vida. Fez parte do elenco dos Doutores da Alegria de 2001 a 2005. Trabalhou de 2005 a 2008, sempre como palhaço, com usuários de atendimento psiquiátrico. Faz parte do elenco do espetáculo de palhaços Jogando no Quintal.

Arquivo

27 de abril de 2012

Êxodo Rural

29 de março de 2012

Até tu, SESC?

5 de abril de 2011

A arte do desencontro V

28 de fevereiro de 2011

A arte do desencontro IV