Colunistas

Publicado: Domingo, 22 de março de 2015

A angústia precede as dores

A angústia precede as dores

 

 

5º. DOMINGO DA QUARESMA

22.03.2015 – Liturgia do Ano “B”

Evangelho (João, 12, 20-33)

...............................................................................................................................

“”   Naquele tempo, havia alguns gregos entre os que tinham subido a Jerusalém, para adorar durante a festa. Aproximaram-se de Filipe, que era de Betsaida da Galileia, e disseram:

“Senhor, gostaríamos de ver Jesus”.

Filipe combinou com André, e os dois foram falar com Jesus. Jesus respondeu-lhes:

“Chegou a hora em que o Filho do homem vai ser glorificado. Em verdade, em verdade vos digo, se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um grão de trigo; mas, se morre, então produz muito fruto.

Quem se apega à sua vida perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna.

Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará.

Agora, sinto-me angustiado.

E que direi? ‘Pai, livra-me desta hora’?

Mas foi precisamente para esta hora que eu vim.

Pai, glorifica o teu nome!”

Então veio uma voz do céu:

“Eu o glorifiquei e o glorificarei de novo!”

A multidão que aí estava e ouviu, dizia que tinha sido um trovão. Outros afirmavam:

“Foi um anjo que falou com ele”.

Jesus respondeu e disse:

“Essa voz que ouvistes não foi por causa de mim, mas por causa de vós. É agora o julgamento deste mundo. Agora o chefe deste mundo vai ser expulso, e eu, quando for elevado da terra, atrairei todos a mim”.

Jesus falava assim para indicar de que morte iria morrer.   “”

...............................................................................................................................

A angústia precede as dores.

Ainda não se entrou propriamente na semana que relembra a paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas a liturgia já programa o evangelho que traz os primeiros antecedentes desse doloroso episódio.

Talvez toda meditação pertinente ainda escape a um maior aprofundamento do que fora na sua intereza o sofrimento de Jesus, tanto porque já faz tempo, séculos, desde o acontecido, como também pela suposição de, por se tratar do Filho de Deus, pudesse ele auferir meios de minorar suas dores.

Não.

Faz-se a lembrança agora, pela via dos evangelhos, de como tudo realmente aconteceu. Sem tirar nem por.

O suplício da cruz foi precedido de dor moral. A angústia leva ao desespero. Ao comum dos homens, quantas vezes não se passa dela ao suicídio?

Não obstante dizer-se ele próprio angustiado, Jesus se resigna caminhar na direção das dores físicas, tão próximas. A dimensão do sofrimento pela hora que chegava, leva Jesus a dizer-se ele próprio angustiado.

Aos fiéis, não cumpre endim senão colocarem-se em recolhimento, em atos de agradecimento e revisão de vida, sensíveis a tanto amor de Jesus Cristo, demonstrado na sua dolorosa paixão.

                                                                                       João Paulo

Comentários

Reflexão Dominical

João Paulo

João Paulo

João Paulo, pseudônimo do jornalista Bernardo Campos, adotado para temas de espiritualidade.

Arquivo

15 dias atrás

Olhemo-nos de frente

7 de setembro de 2019

O peso da cruz

Ariza Centro Veterinrio