Animais

Publicado: Terça-feira, 30 de junho de 2015

Rodeio: diversão ou maus tratos aos animais?

Rodeio: diversão ou maus tratos aos animais?
Chegará o dia em que os homens conhecerão a alma dos animais e nesse dia um crime contra o animal será um crime contra a humanidade (Leonardo da Vinci)

Por Jéssica Ferrari

“Alô meu povo! Na batida da mão, no gingado do pé. Grita as crianças, gritas os homens e também grita as muié.” (Marco Brasil)

Os versos entre uma montaria e outra são rotinas para os locutores de rodeio. A voz forte e as palavras rápidas, misturadas a músicas com batidas animadas, arrancam gritos de milhares de pessoas, que todos os anos vêem as festas de rodeio como opção de lazer e diversão, no Brasil ou no exterior.

Animação, luzes, bebidas, disputas e efeitos especiais compõem a mistura explosiva das festas de peão. As atrações também incluem lindas mulheres, que concorrem a vagas de rainha e princesa do rodeio, shows com artistas consagrados e competições de várias modalidades, que parecem deixar o público em êxtase! A cidade brasileira mais famosa quando se fala nesse assunto é com certeza Barretos. Ela faz parte da história das festas, como a sede da primeira edição do evento, e serve como referência para todos os eventos do país, como o rodeio de Itu.

Por outro ângulo

O nervosismo é grande e o público ansioso. Os olhos atentos parecem ajudar a mão a segurar firme no laço. De repente os ferros se abrem e a emoção pula na pele, deixando nítida a sensação de adrenalina que misturada aos gritos do público, faz do rodeio um esporte, um modo de vida.

Por outro ângulo, a corda aperta. A visão, por entre barras e pernas, faz o coração disparar e os nervos aflorarem. O espaço é pequeno e às vezes parece faltar ar. A arena à frente representa liberdade, mas não explica o que há de se pagar, nem quantos pulos terá que dar.

Todo o espetáculo das festas de peão, organizado para atrair e vislumbrar os quatro sentidos humanos, não são atraentes e nem prazerosos para os principais “atores” do evento, os animais! “Ainda que, em alguns rodeios não se usem instrumentos que provoquem dor, como as esporas, só o fato de se colocar animais de hábitos diurnos em ambientes barulhentos, cheios de luzes, em corredores apertados e, depois, um ser humano sobre eles, é uma agressão evidente.”, afirma o ambientalista e coordenador do movimento que virou lei, "Sorocaba sem Rodeio", Gabriel Bitencourt.

A polêmica dos maus tratos a bois, touros e outros bichos utilizados em festas consideradas culturais, retrata outro ângulo, talvez não conhecido ou refletido por quem frequenta esses eventos. Materiais como o conhecido sedém, são apontados como causadores de dor e sofrimento aos animais. Já pesquisas feitas pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) garantem que ele não machuca os bichos. Mas não ficam só nos objetos os diversos maus tratos expostos pelos defensores dos animais. O transporte estressante e doloroso dos mesmos, o abate sem piedade e as competições de laçadas são atitudes que demonstram que algo está muito errado nesse tipo de “lazer” humano.

“O rodeio é uma forma antiga e cruel dos seres humanos se relacionarem com os animais. Uma forma de quem os vê como meros seres objetos, feitos apenas para suprir as necessidades (comida, vestuário, entretenimento....) dos humanos.”, explica Bitencourt.

Outras festas parecem ser ainda mais cruéis, como no caso das “touradas” na Espanha. A disputa sangrenta normalmente acaba com o touro caído, cheio de lanças, enquanto o heróico toureiro recebe aplausos da platéia. Mas será que para se divertir as pessoas precisam mesmo usar os animais? Para Bitencourt, por mais que se diga que as touradas representam algo importante para o turismo, para a economia e que é expressão da cultura espanhola, ela é uma das formas mais cruéis e covardes de “diversão”. Sua covardia é tanta que há cada vez mais pessoas que “torcem pelo touro”.

No meio de tanta tecnologia e opções de diversão, talvez seja preciso olhar por um outro ângulo para os bichos. Eles são seres que podem beneficiar e muito os humanos, tanto que a relação homem - animal avançou e os transformou em “membros” da família. Também não podemos esquecer que foram as pessoas que invadiram o território deles e transformaram seu modo de vida. Utilizá-los apenas para arrancar gritos de um público faminto por lazer, não deve ser uma maneira certa de recompensá-los, não que isso seja preciso. Afinal, o ser humano é capaz de se divertir sozinho, sem sofrimento, sem polêmica, nem aplausos.

Leia mais: Rodeio, cultura, entretenimento...

Comentários